19 de jul de 2016

A Bíblia, a Poesia e a Música

Artigo extraído da obra citada na gravura acima. (Veja nota no final do texto)
Podemos não concordar com a Bíblia, temos todo o direito de opinar livremente. Todavia, lembremos que o maior médico da História da Humanidade, Paracelso, (Poderão ler o meu trabalho: PARACELSO E A COSMOBIOMEDICINA) em que vemos que dava bom uso a este livro; recordemos que o maior dramaturgo de todos os tempos, Shakespeare, também o tinha como uma das suas fontes de inspiração. Usava a famosa tradução de Genebra.

É certo que não existe uma única linha do Antigo Testamento, que o antigo hebreu tinha costume de não usar as vogais, como era escrito todo seguido; também é Verdade que faltam alguns livros que deviam ter sido incluídos; por outro lado, o Novo Testamento sofre de problemas semelhantes: o original do texto do evangelho de Mateus, escrito em aramaico, desapareceu; o que temos é a versão em grego. Assim, todo ele está escrito neste idioma que não usava pontuação. Por isso, os Oráculos, mormente o de Delfos, acertava sempre: a pontuação dava para os dois lados. Isso sucede, por exemplo, nas palavras proferidas por Cristo na Cruz, segundo a versão de Lucas que era médico: a versão da Igreja Católica tem: Em Verdade te digo: Hoje estarás Comigo no Paraíso. Ora esta pontuação está em contradição com as Suas palavras escritas por João no seu evangelho, após a ressurreição, no momento em que encontra Madalena, a discípula muito amada: Não me toques pois ainda não subi para Meu Pai.

Há textos que não usam a pontuação, o que está certo, em minha opinião; outros têm pontuação diferente. Para muitos a melhor versão será: Em verdade te digo, hoje; estarás Comigo no Paraíso.

Também os erros de tradução existem desde o começo, exemplo da tradução de célula por costela; como estão erradas as interpretações literais, quando o texto está pleno de alegorias astronómicas como nos casos de Sansão, Jacob, etc. Também, o número dos que se salvam, que surge no Apocalipse, 144 000, é cabalístico. Como sabemos, no alfabeto hebraico como no grego, cada letra corresponde a um número, revelando uma profunda união entre o som de cada letra e a matemática, a geometria. Logo, a Palavra ADM, Humanidade, é igual a A=1; D=4 e M= 40. Ficamos por aqui e vamos ao tema do meu trabalho, consciente que tudo está mais unido do que se pensa numa interpretação escolástica ou dogmática.

A cultura hebraica amava a poesia e a música. Aliás as antigas civilizações, quase todas, dedicavam-se, com mais ou menos profundidade, a estas duas artes, intimamente unidas.

No caso da cultura judaica, vejamos o que é relatado na Bíblia.

Jubal, descendente de Caim, este simboliza todos os que, ao longo da evolução, têm inclinações para as artes e ciências, foi “o pai de todos quantos tocam harpa e flauta.” Génesis, 4-21. Por sua vez, Cila teve um filho, Tubal-Caim, que foi o progenitor de todos os que “fabricavam instrumentos de cobre e ferro.”  4-22.

Quando Moisés conseguiu libertar o seu povo hebreu da escravatura no Egipto, abrindo passagem no Mar Vermelho, afastando as águas, para que ele passasse e logo de seguida foi cerrada, nela morrendo os egípcios com os seus cavalos, etc. Maria, a profetiza, irmã de Aarão, tomando um adufe e todas as mulheres a seguiram, cantando e dançando. Êxodo, 15-19.

Por sua vez Davi após a sua vitória sobre os filisteus é recebido com música e dança por todas as mulheres que tocavam tamborins e címbalos. I Samuel- 18-6.
Os Salmos são cânticos cheios de lirismo, de louvores a Deus, de hinos, verdadeiras obras-primas literárias, certamente criados por vários autores.

No Salmo 20, surge um Hino sobre a Libertação do cativeiro do povo no Egipto. O mestre do coro escolhe a melodia OS LAGARES. Certamente isto indica que o local seria onde o azeite é fabricado. E mais há frente manda que toquem o saltério, que façam vibrar os timbales, pulsai a melodiosa cítara e a lira e tocai a lambreta.

Em São Lucas, 1-46, eis a célebre MAGNIFICAT,  que o luterano J. S. Bach aproveitou para criar uma das suas famosas obras vocais, um cântico a Maria, mães de Jesus. Está composto em ré maior, BWV 243, para ser entoado e tocado nas vésperas do Natal em Leipzig, onde vivia. É uma magnífica obra que revela a sua elevada religiosidade de um cristão-rosacruz.

Quanto à poesia esta preenche uma boa parte da cultura do povo hebraico. Vemos o CÂNTICO DA FONTE, Números- 21-17, certamente ligado ao trabalho, junto a uma fonte, havia outros ligados às vindimas, à ceifa.

Nas festas dos casamentos, além dos cânticos, havia música e dança. No fundo um a íntima ligação entre a poesia lírica hebraica e a música.

Os Salmos são um manancial de canções, de cânticos, de hinos, em que a espiritualidade eleva até aos céus, até Deus.

Nota do autor sobre sua obra: A Música e a Poesia, Elos na Linguagem do Amor Universal
"Partindo de uma palestra que nos foi solicitada sob o tema: A ligação entre a Música e a Poesia, pela Editora Helvetia-Suíça-Brasileira, para proferir no 1º FESTIVAL DE LISBOA DE POESIA- NO AUDITÓRIO DO HOTEL HOLIDAY-INN-LISBOA, e face ao interesse que as pessoas demonstraram, decidi publicá-la após melhorar e aumentar o seu texto, introduzindo muitas fotografias ligadas a estas duas grandes áreas da cultura universal." 




Veja trechos de PARACELSO E A COSMOBIOMEDICINA aqui
Página do escritor Delmar Domingos de Carvalho
Mais artigos de Delmar Domingos de Carvalho
Artigos em outros sites

9 de jul de 2016

O (Belo) Livro de Isaías

por Jonas Taucci
Acima, pintura “Isaías prediz o retorno do exílio do povo judeu”.
Obra de Maarten Van Heemskerk, (holandês - 1.498/1.574), óleo de 40cm x 49cm exposta no Frans Hals Museu, na cidade holandesa de Haarlen.

Isaías para muitos, foi o que mais profetizou sobre a vinda do Messias no Velho Testamento, seu livro merece ser lido pelo aspirante Rosacruz.

Possui pérolas de verdades cósmicas, onde a profecia da vinda de Cristo é descrita com detalhes.

Viveu por volta dos anos 765 a 681 AC, e uma das passagens bíblicas que talvez cause mais controvérsias e polemicas é a que consta em 40:22 do referido livro:

Ele é o que está assentado sobre o globo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; ele é o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda para neles habitar.

Há várias outras traduções, onde palavra globo é substituída por:

Círculo do orbe
Disco terrestre
Círculo da terra
Redondeza da terra

Estudiosos sobre linguística da Bíblia afirmam que a palavra esfera também pode ser utilizada na tradução do citado capítulo de Isaías.

A forma da terra é assim descrita, séculos antes de Cristo (!).

Há ainda, traduções que simplesmente omitem (!) a passagem do formato de nosso planeta:

No mais alto dos céus ele se assenta, e os habitantes da terra parecem-lhe gafanhotos. Estende o céu como toldo, arma-o como tenda para morar.

Ao tempo das grandes navegações - Cristóvão Colombo, houve forte debate sobre a citação de Isaías e seu indicativo com a forma da Terra.

Como entender isto?

Primeiramente, informamos que não é o objetivo deste artigo polemizar traduções ou especular interpretações sobre esta citação de Isaías, mas sim TENTAR dar uma explicação à luz dos ENSINAMENTOS DA SABEDORIA OCIDENTAL.

TALVEZ a resposta venha no livro “Conceito Rosacruz do Cosmo”, onde Max Heindel (iniciado de 4º grau) faz uma explicação detalhada do Diagrama de número 02, Os Sete Mundos, abaixo reproduzido.
Observemos atentamente

O Mundo do Pensamento é dividido em:

Região do Pensamento Abstrato
Região do Pensamento Concreto

A Região do Pensamento Concreto, por sua vez, subdivide-se em 04 Regiões:

4) Forças Arquetípicas: Mente Humana. Foco através do qual se reflete o espírito na matéria.
3) Aérea: Arquétipos do desejo e da emoção.
2) Oceânica: Arquétipos da vitalidade universal.
1) Continental: Arquétipos da forma.

Max Heindel nos informa que “...os arquétipos das formas físicas – não importa a qual reino pertençam – encontram-se na sua subdivisão mais inferior, ou seja, na Região Continental...”

Provavelmente, Isaías possuía a faculdade de ter acesso a estas Regiões, daí ter relatado a forma de nosso planeta.

Ainda que a Terra não seja circular, esférica, disco, redonda etc. assemelha-se a geoide, que é a classificação cientifica dada à forma de nosso planeta.

Ressaltando também que suas profecias sobre a vinda de Cristo, com séculos de antecedência, são simplesmente impressionantes.

Isto reforça o fato das faculdades espirituais de Isaías, não nos esquecendo que seu belo e fascinante livro, inicia-se com a frase:  Visão de Isaias...

Novamente, fica a sugestão para que o aspirante rosacruz leia o citado livro.

A Bíblia foi dada ao mundo ocidental pelos Anjos do Destino que, estando acima de todos os erros, dão a cada um e a todos, exatamente o que necessitam para o seu desenvolvimento”. (Trecho do RITUAL ROSACRUZ DO SERVIÇO DO TEMPLO, oficiado em todos os centros do mundo, e nos lares daquelas pessoas que o desejarem).

Ritual Rosacruz do Serviço do Templo

4 de jun de 2016

A Obra do Aspirante Rosacruz

                                                                                                                   por Jonas Taucci
                Afresco: “O sermão da montanha” de Fra Angélico (Itália c.1387 – 1455)                           Museu de São Marcos Florença Itália

Através dos Ensinamentos da Sabedoria Ocidental, sabemos que há uma grande diferenciação entre o Novo e o Velho Testamentos, no que diz respeito à evolução da humanidade.

São fases distintas, onde a vinda de Cristo divide estas referidas fases. 

Velho Testamento
Novo Testamento
Jeová
Cristo
Os Dez Mandamentos
O Sermão da Montanha
A Lei
O Amor
Corpo de Desejos
Corpo Vital

VELHO TESTAMENTO: Jeová. Prevalece o Espírito de Raça, a lei. O Senhor dos Exércitos. Os Dez Mandamentos, que - quase   invariavelmente - nos fala o que não devemos fazer. Trabalha o Corpo de Desejos.

NOVO TESTAMENTO: O Cristo, maior iniciado do Período Solar. Ensina o que devemos fazer. O Sermão da Montanha. O amor, perdão, auxílio ao semelhante, a bondade. Trabalha o Corpo Vital.

Vamos interpretar – à luz do Ensinamentos Rosacruzes - uma das Bem-Aventuranças, contida no Sermão da Montanha, tal como nos relata Mateus (05:08).

Este discípulo pregou por mais de quinze anos para a comunidade hebraica, sendo seu Evangelho o primeiro a ser escrito de acordo com pesquisadores da Bíblia. Faleceu perto de 72 DC na Etiópia, onde (muito) divulgou a sublime mensagem de Cristo.

Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.

Nosso (etéreo) átomo semente(1) está localizado no ventríloquo esquerdo do coração, e tudo o que vivenciamos – do nascimento à morte - nele está sendo gravado.

Sem pausa!

Uma vida consagrada à prestação amorosa de serviço, conjugada a um exercício de retrospecção, diário e bem realizado, evidentemente que irá – ainda que lentamente - transmutar nosso interno, tornando limpo nossos corações.

Aqui uma informação valiosa e importante; o exercício de retrospecção foi idealizado pelos IRMÃOS MAIORES DA ORDEM ROSACRUZ, e transmitido à Max Heindel, para que fosse divulgado à humanidade (livro Iniciação Antiga e Moderna, capítulo III – Sala Leste do Templo – A Mesa dos Pães da Proposição).

Vemos assim, a origem deste exercício.

O resultado destas (contínuas) práticas: SERVIÇO e exercício de retrospecção – paulatinamente - não será vermos Deus fora de nós, e sim o nascimento de nosso CRISTO INTERNO (a Divindade dentro de cada pessoa).

Um mundo interno irá descortinar-se!

Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus, mas quem faz o mal não tem visto a Deus. (3ª Epístola de João 01:11).

A repetição (nota chave do Corpo Vital) consciente, de bons atos, a bondade, acelerará este processo de Alquimia Interna; Max Heindel nos fala que a repetição é a nota chave do referido Corpo, e todo desenvolvimento interno parte dele.

Portanto, procurai com zelo os melhores dons...  (1ª Carta de Paulo aos Coríntios 12:31).

Sugerimos consultar as obras da Fraternidade Rosacruz e a revista Rays from the Rose Cross número 01 volume 96 de fevereiro - 2.004, para informações mais detalhadas.

Saiba Mais:

20 de mar de 2016

O Templo, Áries e a Obra

                                                                                                 por Jonas Taucci
Se nos limitamos a uma interpretação dos Evangelhos simplesmente pela letra mata”, e não pelo o espírito vivifica”, (Paulo em seu segundo livro aos Coríntios 03:06), pouco progresso espiritual alcançaremos. Obteremos conhecimento e não sabedoria.

Os Ensinamentos Rosacruzes nos informam que os quatro evangelhos, são quatro (veladas) fórmulas de iniciação, e que situações e personagens destes evangelhos, estão no íntimo de cada um de nós, num trabalho alquímico interno a ser realizado pelo aspirante rosacruz.

E, entrando no Templo, começou a expulsar todos os que nele vendiam e compravam, dizendo-lhes: Está escrito; a minha casa é casa de oração; mas vós fizestes dela covil de salteadores. E todos os dias ensinava no templo; mas os principais dos sacerdotes e os escribas, e os principais do povo procuravam matá-lo.(Lucas 19:45 a 47).

Muitas pinturas, gravuras e filmes cinematográficos, representam Cristo – de forma enérgica – expulsando os mercadores do Templo, e este seu comportamento, por vezes choca as pessoas. Evidente tratar-se de uma alegoria, e o aspirante rosacruz terá de transporta-la para o seu interior.

Vejamos

O TEMPLO: Representa nosso íntimo, interno, como bem diz Paulo em sua 1ª Carta aos Coríntios, 03:16: Não sabeis que vós que sois templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?

EXPULSAR OS QUE VENDIAM E COMPRAVAM: O comércio interno que fazemos, barganhando e comercializando nosso Eu Superior (virtudes) com nosso Eu Inferior (mazelas); os conchavos com nossos erros. A justificativa (!) de nossas falhas.

A MINHA CASA É CASA DE ORAÇÃO: Aqui, entenda-se não apenas as orações mentais ou verbais que fazemos, mas sim uma vida consagrada a prestar auxílio – amorosamente – a nossos semelhantes; uma oração superlativa, com conotações Crísticas. A oração comportamental.

MAS VÓS FIZESTES DELA UM COVIL DE SALTEADORES. O (lamentável) prevalecer do Eu Inferior em nosso íntimo.

E TODOS OS DIAS ENSINAVA NO TEMPLO: Aqui uma relação maravilhosa com um trecho do Hino Rosacruz de Abertura: Falhando embora, vamos ver: a persistência há de vencer. E num crescendo gradual, o bem sublimará o mal. A persistência na bondade, habitando o Templo Interno de cada um de nós.

MAS OS PRINCIPAIS DOS SACERDOTES E OS ESCRIBAS, E OS PRINCIPAIS DO POVO PROCURAVAM MATÁ-LO.

Sacerdotes: Aqueles que serviam no templo. (Religião)
Escribas:  os alfabetizados, raríssimos à época. (Intelecto)
Principais do povo: Os títulos e cargos – todos - deste plano físico. 

Estas três classes são bem relatadas por Lucas!

Aqui uma clara admoestação – respectivamente -  sobre vaidade e orgulho; religioso e intelectual e também o apego a cargos meramente temporários desta vida. Tudo isto, contribui (e muito) para matar o Cristo, como diz Lucas, ou seja, esotericamente sufocar o Cristo Interno que habita em cada ser humano.

Vemos acima uma pintura de autoria de Giotto (c. 1267-1337), esta obra encontra-se na Capela de Scrovegni na cidade de Pádua, Itália. Chama-se Cristo expulsa os vendilhões do Templo”.

Uma simbologia – astrológica - interessante que aprendemos com os Ensinamentos da Sabedoria Ocidental, é a forma enérgica de Cristo nesta citação bíblica; e ela é encontrada na referida pintura.

Carneiros e cabras eram alguns dos animais levados ao Templo para serem sacrificados.

Energia é uma palavra basicamente relacionada à Marte (regente de Áries). Muito significativo que nesta pintura de Giotto, apareça o Carneiro (Áries), signo relacionado a Marte, numa alusão à direcionarmos nossa energia marciana – de uma forma alquímica - para expulsar de nosso Templo (interior) os vendilhões (nossas mazelas).

Eis a obra do aspirante Rosacruz!

Não mais sacrifícios externos, mas sim um sacrifício interno, o oferecimento de nosso EU SUPERIOR à serviço da humanidade; a bondade apregoada por Cristo.

Em 20 de março de 2.016, aproximadamente 01h31m (horário de Brasília), o Sol ingressa no signo de Áries; muito oportuno meditarmos sobre o texto acima durante a passagem do Sol por esta Divina Hierarquia Zodiacal, e principalmente nos empenharmos em realizar – ainda que lentamente – esta OBRA.

Toda outra ciência é prejudicial a quem não possui a ciência da bondade. (Montaigne,1533 – 1592 em Ensaios).

23 de jan de 2016

Uma Pintura Reveladora

                                                                                                                   por Jonas Taucci 

Pesquisadores bíblicos nos informam que João – o discípulo que Jesus amava – nasceu em Betsaida e viveu aproximadamente entre os anos 06 e 103 D.C. Deixou-nos três Epístolas, o livro do Apocalipse e seu maravilhoso Evangelho, muito relacionado com o aspirante rosacruz, onde praticamente todos os Centros Rosacruzes espalhados pelo mundo o têm aberto em seu primeiro capítulo (“No princípio era o Verbo...”).

Na Galeria Nacional da Escócia, encontra-se o famoso quadro (acima) “Alegoria do Velho e Novo Testamento, do pintor Hans Holbein (Alemanha 1497 – Inglaterra 1543).

Esta pintura (49 por 60 cm) à óleo, é uma interpretação de Holbein de outra citação do Evangelho de João (01:17);
Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
Esta frase – curta – encerra milhares de anos de evolução da onda de vida dos Espíritos Virginais (nossa humanidade), e os Ensinamentos Rosacruzes nos fornecem informações sobre o estágio passado, a atual condição e o desenvolvimento futuro da humanidade.

Transportando a tabela abaixo, exatamente sobre a obra de Holbein, temos um painel magnífico e revelador à luz dos Ensinamentos Rosacruzes.

METADE LADO
ESQUERDO DA PINTURA
METADE LADO
DIREITO DA PINTURA

Velho Testamento

Jeová

Religiões de Raça

Novo Testamento

Cristo

O Amor Uraniano
Acompanhemos - agora na tabela abaixo - uma interessantíssima relação que diz respeito à nossa jornada evolutiva; façamos uma intersecção de certos pontos à metade esquerda da pintura, com os mesmos pontos, à metade direita, de cima para baixo.

Assim:
LADO ESQUERDO
LADO DIREITO

Moisés recebe as Leis de Jeová

Maria, mãe de Jesus, banhada pela Luz

Serpente erguida no deserto por Moisés. Números Cap.21

Cristo crucificado. A sua jornada anual à Terra

Adão e Eva: A Queda

Cristo e os discípulos. O evangelho do amor

Esqueleto encerrado numa tumba. A morte

Cristo sobre o esqueleto. A morte não existe

Isaías profetiza: ”A virgem conceberá um filho” (07:14)

João Batista diz; “Aquele que tira os pecados do mundo”

Parte da árvore desnuda, sem folhas. A Lei.

Parte da árvore com folhas tenras. O Amor Crístico.


Ao centro abaixo vemos:
 Um homem (humanidade) sentado numa pedra (imerso no mundo físico), debaixo de uma árvore (Corpo Vital, repetição; a nota chave deste corpo, o esforço no reto agir). O homem está com a face voltada ao Novo Testamento, o Cristianismo.

Max Heindel, em “Mistério das Grandes Óperas, capítulo III, nos fala de três expressões das artes que procuram expressar o bom, o verdadeiro e o belo; a escultura, PINTURA e a música. 

Sugestões de leitura:
Conceito Rosacruz do Cosmos: online (veja aqui)  -   impresso (veja aqui)
Rays from the Rose Cross, revista de nossa Sede Mundial (Oceanside), - volume 95 número 02 - de março/abril de 2003, seção Luz Mística, onde há informações mais detalhadas sobre este artigo e a famosa pintura. (veja aqui)